segunda-feira, 21 de maio de 2018

quarta-feira, 18 de abril de 2018

PAULO LEMINSKI


Contranarciso


em mim
eu vejo o outro
e outro
e outro
enfim dezenas
trens passando
vagões cheios de gente
centenas

o outro
que há em mim
é você
você
e você

assim como
eu estou em você
eu estou nele
em nós
e só quando
estamos em nós
estamos em paz
mesmo que estejamos a sós


sábado, 7 de abril de 2018

Malagueña Salerosa


Trio Tariácuri



Malagueña Salerosa canción interpretada por el Trío Tariácuri. El cantante principal de este video es Jesús de la Rosa Muñoz. Los hermanos Mendoza formaron el Trío Tariácuri en el año de 1931.

quinta-feira, 22 de março de 2018

quarta-feira, 14 de março de 2018

A FEBRE DO INFINITO


A Febre do Infinito do Mattüs é o segundo lançamento da Sirva-se como editora




Por Sirva-se


Sexo, drogas, suicídio em massa, violência, críticas sociais, hecatombes, tretas conjugais nos moldes das relações líquidas (Bauman que o diga) e um pouco de rock e MPB. Assim é ambientado o universo do escritor natural de Palmeira dos Índios e residente em Maceió, Mattüs.

O cara lança agora o seu segundo romance, A febre do Infinito (2018), um lançamento da Sirva-se Edições Alternativas em parceria com a Livrinho de Papel Finíssimo Editora, de Recife.

A recente publicação é uma continuação indireta de O beco das almas famintas (2016), livro de estréia do autor que trouxe como ambientação narrativas que se passavam na Cidade Sereia, uma pequena metrópole sanguinária habitada por cracudos, pastores picaretas e o encontro escatológico com o bode preto. O curto romance é dividido em pequenos capítulos, quase contos, que dão conta de narrar uma sociedade falida comandada pelo Deus dinheiro e a desesperança com a humanidade.

Já A Febre do Infinito tem no enredo a personagem principal Pedro, um figura que perde a namorada num ritual de suicídio em massa. Sacana que é, ele aproveita a morte da ex amada para afanar em seu apartamento os seus discos raros. O acontecimento é o ponto de partida para o desenrolar da trama, acaba pondo em risco toda a tranquilidade da Cidade Sereia, para ser mais preciso, o bairro mais nobre, conhecido como Praia Vermelha (PV).

“O enredo é crítico e fictício, logo resolvi não fazer uma “história de final fechado”, como fiz em “O Beco…”, tudo em “A Febre do infinito” é bem aberto, tanto que a ordem de alguns capítulos foi trocada só para intrigar o leitor. Como o número “8” é a referência presente em todo o livro, a obra foi dividida em oito capítulos, onde o oitavo capítulo tem oito partes e a oitava parte do oitavo capítulo possui oito parágrafos”, explica Mattüs.

As influências durante o período de produção do livro vão desde o que ele estava lendo no momento, que no caso foram os escritores: Clarice Lispector, Lourenço Mutarelli e James Joyce até publicações sobre seitas suicidas.

Mattüs acredita que o caminho para continuar jogando no mundo seus escritos e ter a liberdade para produzir é optar pela autopublicação/publicações independentes. “Acredito no poder da autopublicação como não se ter barreiras para dar forma as suas ideias. Basicamente, a autopublicação (dos fanzineiros aos livreiros) é uma prova que o melhor caminho deve ser o de mandar todo mundo se foder e lançar livros como você bem entender”, defende.

A nova empreitada foi escrita em seis meses. O cara tem usado o esquema de fazer um “rascunhão” com praticamente um pouco mais da metade da obra numa vomitada só e, a partir disso, depois de um longo período no limbo, voltar a trabalhar no texto. Na medida em que os capítulos iam ficando prontos, ele mandava uma versão atualizada para um amigo ilustrar. “É um processo maravilhoso no começo, legal no meio e meio insuportável no final, mas o resultado impresso compensa qualquer dor de cabeça e ataques de pânico”, acrescenta.

Participam do livro: 
Daniel Contin (Ilustração), Dhiego Simões (revisão), Livrinho Editora (diagramação), Sirva-se Edições Alternativas (impressão).

Mattüs- por: R. Silva

Mattüs — besta do submundo das antiartes e agitos psicoquímicos — é uma aberração natural de Palmeira dos Índios (AL) e habita o underground maceioense há mais de uma década. A figura surgiu na literatura através do universo dos fanzines, sendo editor do grotesco zine marginal “Spermental” (2006–2013), “O Novo Pagão”, “Histórias pra Belzebu Dormir” e colaborador dezenas de outros zines com malucos de todo o país. Em 2016, lançou “O Beco das Almas Famintas” pela Livrinho de Papel Finíssimo Editora, a obra é um romance recheado de fábulas escatológicas que deram origem à “massacrelândia tropical” em que suas histórias pútridas são ambientadas: neste livro-inferno são abertas as portas da Cidade Sereia, uma pequenina metrópole sanguinária que odeia os miseráveis e está disfarçada de Califórnia brasileira, um reino de caos, diversão e destruição persiste, tornando-se um dos temas chave na narrativa de “A Febre do Infinito” (2018), segundo romance do autor.

O monstro também é roteirista/produtor da degenerada “Scoria Filmes”, produtora filmes trash/experimentais nascida há mais de uma década e com cerca de 10 trabalhos; dentre eles, os curtas “Psychodemia” (2009), “O Panorama da Carne” (2013) e o média metragem “Surf Kaeté” (2015). Não satisfeito em destruir a dignidade da literatura e do cinema, Mattüs ainda participa do projeto antimusical “Power of The Nóia”, antibanda que carrega quase uma dezena de lançamentos recheados de insucessos.


LANÇAMENTO

O livro já vem circulando ha certo tempo e Mattüs tem feito o esquema de distribuição de forma direta, de mão em mão ou por correspondência. Mas quem quiser sacar um pouco melhor da obra e trocar uma ideia com autor antes de adquirir a sua cópia, o figura vai lançar o material na próxima sexta-feira (16) ao som de música suja e barulhenta no evento Fim do Mundo que acontece no Pub Fiction, bairro da Jatiúca, em Maceió. Corre pra lá e garante teu exemplar, que as cópias são numeradas e limitadas!


PUB FICTION 
Avenida Antônio Gomes de Barros (Antiga Amélia Rosa), nº 1144.
16 de março de 2018
21 horas
Cartaz do evento onde Mattüs lança A Febre do Infinito na próxima sexta-feira (16)

https://medium.com/@Sirvase/a-febre-do-infinito-do-matt%C3%BCs-%C3%A9-o-segundo-lan%C3%A7amento-da-sirva-se-como-editora-3aee868582ef


terça-feira, 6 de março de 2018

sexta-feira, 2 de março de 2018

PAULO LEMINSKI


Se



se

nem

for

terra

se

trans

for

mar